Coluna Politizando - 04/03/2020 - A influência do voto religioso nas eleições municipais

By Sanchilis Oliveira - 09:15

Foto: Reprodução 


Os mais diversos atores da política pernambucana, tem se atentado de uns anos para cá sobre o peso do voto religioso na soma das eleições. De 2010 para os dias atuais uma das principais instituições religiosas do estado, a Assembleia de Deus, entrou no jogo político colocando nomes de sua representação na corrida eleitoral no estado, com os deputados Pastor Eurico (Patriota), e o Evangelista Adalto (PSB), além dos mais diversos vereadores eleitos em várias cidades, a exemplo do Recife com a Irmã Aimée (PSB), todos eleitos na primeira disputa por uma vaga no legislativo nas eleições que concorreram.

Para 2020, as eleições majoritárias devem contar com esse fator, do voto mais conservador, dogmático e religioso, e mais ligado a setores da direita e aos líderes de instituições religiosas como o Pastor Ailton José Alves, que no estado conta com mais de 1 milhão de membros em sua igreja.

Apesar de ter um peso, esse grupo de eleitores sozinhos não conseguem eleger nomes de seu meio para cargos majoritário, mas com articulação e planejamento podem conseguir êxito, a exemplo do prefeito de Toritama, Edison Tavares (MDB), que de primeira vez conseguiu desbancar o prefeito nas eleições de 2016, e chegar ao posto de maior mandatário da cidade.

Uma característica desse público é a baixa qualidade no debate do que realmente importa na vida da população, como temas ligados à saúde, educação, geração de emprego e renda, esportes e lazer, segurança pública, cultura, meio ambiente e sustentabilidade, e desenvolvimento social e econômico. Além da criação de cortinas de fumaça com temas de pouca relevância no cotidiano das pessoas, como aborto, orientação sexual, reconhecimento das novas famílias, legalização da maconha, assuntos que causam bastante polêmica e em nada melhora a vida da cidade. A maioria destes eleitores decidem o voto pela religiosidade, e não pela qualidade das propostas dos candidatos.

Para conseguir angariar esses votos o político tem que saber dialogar, e muitas das vezes usar uma linguagem própria, específica para o público, que não venha lhe trazer margens a interpretações dúbias sobre seus posionamentos e propostas, em temas sensíveis como os citados. No público religioso seja evangélico ou católico, nas últimas eleições mais valeu citar dois trechos da bíblia, que ter uma boa proposta para a educação ou a geração de emprego. 

Quem deseja se eleger com esses votos, e claro que é um público que sozinhos não elegem mas definem eleições, deve tomar todo cuidado e se aproximar com cautela e bastante observação no comportamento e na linguagem que se usa, principalmente nos mais radicais, que geralmente são os que causam mais barulho no meio desse público e acabam influenciando a grande parcela.

Jaboatão dos Guararapes - A novidade na disputa eleitoral na cidade é a possível entrada do ex-deputado federal Silvio Costa (PRB) na disputa pela prefeitura, contra o atual prefeito Anderson Ferreira (PL), a informação surgiu após Costa transferir seu domicílio eleitoral e acenar para a oposição como possível candidato da unidade contra a gestão dos Ferreiras. 

Olinda - As aparições do deputado estadual João Paulo Lima (PCdoB), junto a vice-governadora Luciana Santos na cidade, vem fortalecendo a possibilidade dele ser o nome escolhido para disputar a prefeitura com o apoio do governador Paulo Câmara. 

Olinda 2 - O Advogado Antonio Campos, que é pré-candidato a prefeito de Olinda, se filiou ao PRTB, partido da extrema direita, que tem o atual vice-presidente General Hamilton Mourão como principal nome da sigla. E se alinha com o governo Bolsonaro de corpo, alma e partido, porém esse seu movimento se alinhado a direita, poderá lhe render mais uma vez a derrota eleitoral, isso porque Olinda tem uma tradição de esquerda, governada por 16 anos por governos do PCdoB.

Paulista - Recém filiado ao MDB, o ex-prefeito Yves Ribeiro, tem se movimentado bastante para tentar mais uma vez chegar ao poder, experiente por ter sido prefeito em três municípios, o veterano tem ganhado força na corrida eleitoral.

Cabo de Santo Agostinho - Mesmo com toda movimentação de inaugurações, assinaturas de ordem de serviço, promoção da sua imagem como gestor e o uso selvagem do marketing, o prefeito Lula Cabral (PSB), que tentará o quarto mandato, deverá enfrentar uma posição feroz e fortalecida, o que por qualquer deslize poderá lhe render uma amarga derrota pelo desgaste de sua imagem após o escândalo dos 92 milhões da previdência municipal.

Pergunta que não quer calar: Quem será o ungido em Jaboatão dos Guararapes pelo governador Paulo Câmara?

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários

Faça seu comentário aqui!