Os vices podem mudar o rumo das eleições em Escada

By Sanchilis Oliveira - 12:23

Ivanildo Bigodão atual vice-prefeito de Escada nas eleições de 2016. Foto: divulgação

Na últimas eleições os vices tem tido um papel de bastante relevância nas formações das chapas majoritárias na disputa pelo controle da Prefeitura de Escada. Geralmente ligados ao segmento religioso que vem crescendo no ambiente político partidário, os últimos vices prefeitos de Escada definiram a vitória dos postulantes ao cargo de prefeito. Em 2000 por exemplo o prefeito Zé Alves que tentava a reeleição, visando esse movimento de interesse dos evangélicos pela política, teve como vice-prefeito Amaro Ferraz, que mesmo sendo um político de longas datas e líder do PSB, muito ligado a Miguel Arraes, tinha a simpatia do segmento evangélico por fazer parte dele. Naquela mesma eleição seu principal adversário Mário Minduca fez o mesmo movimento tendo o Irmão Almir como seu vice.

Nas eleições de 2012 esse movimento voltou a acontecer, quando a união de Lucrécio Gomes e Lailton, rendeu uma vitória esmagadora com mais de 24 mil votos contra o candidato da gestão na época. Em 2016 a indicação de um vice-prefeito mais uma vez ligado aos evangélicos, rendeu a Lucrécio a reeleição, tendo como seu vice-prefeito Ivanildo Bigodão, dentro dessa ideia sua adversária fez a mesma coisa, indicando a ex-vereadora Irmã Zui para compor sua chapa.

Para 2020 esse mesmo cenário nas composições das chapas deve se repetir, e os pré-candidatos a prefeito já começam a se movimentar em busca de seus vices, com exceção de Lailton que por ser presbítero da Assembleia de Deus, deverá ser o nome do segmento evangélico a encabeçar uma chapa para a disputa municipal.

Com essa real possibilidade de Lailton, entrar na disputa pelo governo municipal, os demais candidatos para furar essa bolha d segmento evangélico, deverão indicar seus vices ligados ao meio. A questão que mais pesa é que desta vez a igreja terá um candidato a prefeito com chances de vencer a eleição, que se entendido assim pelos evangélicos, a composição de vices ligados a igreja teria pouco efeito ou até nenhum.

As eleições municipais de Escada, deverão protagonizar uma disputa bastante acirrada e com um discurso bastante nacionalizado, pela polarização vista nas eleições de 2018, com o aumento da divisão entre os brasileiros  e suas bandeiras ideológicas, que nos segundo turno ficou mais acentuada com a disputa entre Fernando Haddad da esquerda e Jair Bolsonaro da direita.

Como o presidente Bolsonaro anda com a popularidade em baixa, além de ter sido pouco votado em Escada, seu apoio direto ou indireto a qualquer candidato teria um efeito contrário e bastante negativo. 

Uma coisa é dada como certa, os vices indicados nas chapas que disputarão as eleições majoritárias em 2020, terão grande papel na vitória do próximo prefeito de Escada.

  • Share:

You Might Also Like

0 comentários

Faça seu comentário aqui!