A eleição mais importante não é a presidencial. É a dos deputados federais

18:44

O irônico é que nós mesmos fugimos orgulhosos da responsabilidade de formar um Congresso decente

Foto: Luis Macedo - Câmara dos Deputados

Por Alexandre Versignassi

Bolsonaro, Marina, Ciro, Alckmin, Haddad, Boulos, Amoêdo, Winston Churchill. Vença quem vencer as eleições no dia 7 de outubro, todos serão reféns do Congresso.

Até por essas há quem vote no primeiro da lista acima na esperança de que surja uma autocracia – um governo sem Congresso, totalmente nas mãos do autocrata.

Compreensível: na cabeça do eleitor comum, a taxa de banditismo no Congresso não é menor que a de um presídio. E o tal eleitor comum está certo em grande parte. A culpa por formar um Congresso sem credibilidade, porém, é nossa – e a ideia de fechar o Congresso, não custa lembrar, é tão insana que não merece tempo de discussão.

O irônico é que nós mesmos fugimos orgulhosos da responsabilidade de formar um Congresso decente. A noção de que cada eleitor tem “o seu deputado” nem existe por aqui. É sempre um grande eles (os políticos) contra nós. Nós somos os bons. Eles, os maus. Que confortável.

Bom, a chance de mudar isso não é na hora de escolher presidente. É na de escolher deputado.

Se você está de boa com a ideia de que um paizão ou uma mãezona na Presidência vá resolver tudo, então, temos um problema. E o centro desse problema não está na política. Está em você.

You Might Also Like

0 comentários

Faça seu comentário aqui!

Twitter

Facebook